Escola

A minha fotografia
Nome:

M. Eugénia Prata Pinheiro

domingo, março 27, 2011

Suspensão da avaliacão

Aplaudo a decisão de suspender o processo de avaliacão em curso. Só peca por tardia.
Estou sem tempo para dissertar mais uma vez sobre o assunto e remeto para este blogue.
Muitos outros blogues de professores no terreno estarão fazendo análise de teor semelhante.

Os comentadores que atacam a decisão tomada na Assembleia da República não sabem do que estão a falar. Não estão nas escolas e os filhos, se os tem, devem andar pelos colégios privados. E os deputados do PS e o respetivo patrão (falo do ingenheiro) melhor fariam em calar-se. Na Alemanha, ao ministro doutorado com plágio foi retirado o título pela universidade que lho atribuíra e o ministro envergonhado demitiu-se das suas funções. Por cá o ingenheiro retirou o título à universidade que lhe fabricou a licenciatura domingueira e guardou a ingenhosa licenciatura no currículo! Claro que se manteve como primeiro ministro...


quarta-feira, março 23, 2011

Finalmente!

Apesar da dificuldade em aceder à net cá vim festejar a demissão do ingenheiro.
Porreiro, pá...

quinta-feira, março 10, 2011

A economia política da educação

Recebi por mail este texto de Robert Kurz.

O modo de produção capitalista está cheio de autocontradições internas. O campo da educação e formação também não é excepção. O conhecimento em si não produz valor, mas constitui uma necessidade objectiva do capital, sob o ditame do desenvolvimento das forças produtivas. Uma vez que nesta sociedade quaisquer gastos têm de ser apresentados na forma do dinheiro, os encargos do sistema de ensino constituem "custos mortos" em sentido capitalista, isto é, uma dedução à mais-valia social. Por isso em toda a parte se invoca a necessidade de investimentos na educação, em nome da concorrência pela localização das empresas, estando, no entanto, a produção e distribuição do conhecimento simultaneamente sob enorme pressão dos custos.

Esta contradição tem vindo a intensificar-se historicamente. O mesmo desenvolvimento das forças produtivas que obriga à expansão do conhecimento e da educação tem reduzido, por outro lado, o sector (especialmente da base industrial) que produz mais-valia real, uma vez que a força de trabalho se tem tornado supérflua numa escala cada vez maior. Enquanto a famosa classe operária "produtiva" diminuiu relativamente e hoje constitui uma minoria na sociedade, cresceram em contrapartida as novas classes médias em grande parte "improdutivas" do sector da educação e do conhecimento. Do ponto de vista capitalista, este desenvolvimento só pôde ser representado num crescente financiamento a crédito dos respectivos "custos mortos", um aspecto pouco discutido da crise financeira geral.

A massificação das qualificações mais elevadas e, consequentemente, da sua oferta conduz a uma desvalorização da força de trabalho qualificada, de acordo com as leis do mercado de trabalho. Com a pressão dos custos sobre o sistema de ensino, "improdutivo" do ponto de vista capitalista, desenvolveu-se uma progressiva precariedade também dos estratos sociais com formação académica. A antiga classe média com formação superior está condenada ao declínio. Acresce a isso a discrepância entre a qualificação e as exigências da conjuntura económica. Como o contexto social não está sujeito a um planeamento conjunto, mas sim a uma dinâmica cega, algumas qualificações tornam-se subitamente supérfluas ou com excesso de oferta, enquanto outras faltam. A formação só se faz a longo prazo, enquanto os perfis procurados mudam constantemente, de acordo com a concorrência global.

Entretanto, estamos confrontados com o mesmo problema em todo o mundo. Em todos os países há nomes semelhantes para a situação que na Alemanha é designada por "Geração Estágio" e que revelam a situação social na verdade difícil da "geração Facebook". Precisamente porque o desnível escolar foi parcialmente nivelado entre o centro e a periferia capitalista, torna-se dramaticamente notória a ausência de perspectivas de uma geração educada de jovens nos países mais pobres. Esta é (ao lado da explosão dos preços dos alimentos) uma das razões para as revoltas actuais no mundo árabe. Mas também na China ou na Índia cresce o abismo entre a qualificação em massa e o emprego. Não se trata dos chamados deficits democráticos, mas de uma contradição estrutural, insolúvel no capitalismo, na relação entre educação e economia. A questão é saber se o "proletariado académico” globalmente massificado converte a sua precarização na ideia de uma nova emancipação social para todos, ou se pretende apenas afirmar-se no capitalismo e digere ideologicamente a inevitável frustração. No segundo caso será preciso contar com o pior.

Original POLITISCHE ÖKONOMIE DER BILDUNG in www.exit-online.org. Publicado em Neues Deutschland, 07.03.2011