A minha fotografia
Nome:

M. Eugénia Prata Pinheiro

terça-feira, novembro 18, 2008

As faltas por doença - o espírito da lei

Tivemos numa turma um aluno gravemente doente. Um tumor que durante o verão cresceu nas cervicais atirou-o para o hospital em setembro. Estudos, preparação de uma cirurgia delicadíssima, sofrimento grande para o G. Visitas, prendas, bilhetes, lá fomos fazendo o que pudemos para lhe levar algum conforto e dar apoio à família. Também levamos algum material de estudo mas com forte conselho para a professora que no hospital apoia os jovens doentes - que não o incomodasse com isso.

No final de outubro o G. chegou à escola. Ar fragilizado, coleira no pescocito mas contente por estar ali.

Em reunião do Conselho de Turma, a diretora de turma trouxe à baila a lei. Teríamos de fazer provas ao G. em todas as disciplinas para testar o seu (des)conhecimento das matérias até aí trabalhadas com a turma. Ora leis absurdas não tenho por hábito lê-las e muito menos preocupar-me em aplicá-las. E o absurdo da situação estava à vista. Galhofei, galhofamos e assobiamos para o lado.

E o G. lá está a fazer a sua recuperação e nós felizes por o termos connosco. Sem provas dos seus desconhecimentos.

Confesso que não li a lei - estatuto do aluno. Avisei num texto lá para trás, aquando da sua publicação, que não a leria. Há dias, quando os alunos da escola fizeram greve às aulas, perguntei a alguns dos mais crescidos que já tinham sido meus alunos se tinham lido o estatuto; responderam-me que sim, 'taditos.

Também acho que o Regulamento Interno da escola ainda espera aprovação pelo que não sei o que se diz por lá.

Mas este Estatuto do Aluno, não seria melhor exterminá-lo? A ministra vai nesse caminho ao fazer-lhe ilegais alterações por despacho. Era de matar dois coelhos com uma cajadada - exterminar o Estatuto do Aluno e o Estatuto da Carreira Docente. Era um descanso para as escolas - talvez se ensinasse e se aprendesse.


2 Comments:

Anonymous desalinhada said...

infelizmente há escolas por onde impera o verbo amedrontar...e se conjuga reflexamente também eu amedronto-me, tu amedrontas-te...
e até aqueles que vão Às manifs têm medo e nas reuniões proibisse a palavra e a opinião...será que para a semana terão tudo online..???

eu desalinho-me

9:17 da tarde  
Anonymous setora said...

Pois, é isso, offline.
Eu nem recebi o mail. O meu antivirus deve ser muito bom!

1:17 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home