A minha fotografia
Nome:

M. Eugénia Prata Pinheiro

quarta-feira, setembro 23, 2009

Ídolo de Chavez


11,55 €

Formato: Brochado 76 páginas
Data de publicação: 07-10-2008
Editor: Martins Fontes
ISBN: 978-85-61635-00-8
EAN13:9788561635008


Sinopse

Libertador” ou ditador obscurantista? É com uma descrição de “personagem medíocre e grotesco” a representar papel de herói que Marx compõe este seu ensaio sobre Simón Bolívar. “Foi o acaso, sem dúvida, que levou Marx à redação de seu artigo sobre Bolívar. Contratado em 1857 por Charles Dana, diretor do New York Daily Tribune, para colaborar sobre temas de história militar, biografias e outros assuntos variados na New American Cyclopaedia que o editor vinha preparando, Marx dividiu o trabalho com Engels, e quis a sorte que lhe coubesse redigir o verbete sobre Bolívar. O resultado das leituras efetuadas para a redação desse verbete foi um sentimento tão acentuado de aversão pelo personagem, que ele não conseguiu deixar de dar um tom surpreendentemente preconceituoso a seu trabalho. Diante dos reparos lógicos feitos por Dana a um texto que se afastava da linguagem imparcial que caracterizava esse tipo de publicação, Marx admitiu, numa carta a Engels, que havia saído um pouco do tom enciclopedístico, mas que ‘seria ultrapassar os limites querer apresentar como Napoleão I o mais covarde, brutal e miserável dos canalhas’.” (José Aricó). Os fatos arrolados por Marx e narrados de forma dinâmica e conseqüente são históricos, mas terá Bolívar servido à democracia e ao antiimperialismo? Cabe seu retrato entre os estudantes e os operários de Caracas hoje? Este texto de Marx, descoberto em 1935, é publicado pela primeira vez no Brasil.


Enviaram-me esta informação por mail.
A ler.





0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home